A importância do capacete e como escolhê-lo

As motocicletas são uma alternativa de meio de transporte cada vez mais popular no Brasil. Nos últimos quinze anos, a frota de motos mais que duplicou no país. Elas se tornaram cada vez mais presentes, do Oiapoque ao Chuí. Nas cidades grandes elas oferecem uma forma de locomoção barata e eficiente. Nas cidades menores elas já estão substituindo a tração animal.

Junto com toda essa frota emergente vem a necessidade de proteção para todos esses novos motociclistas. Por esse motivo preparamos esse artigo com informações sobre os tipos de capacetes e quando eles são mais adequados.

As exigências da lei

A necessidade de o motociclista utilizar o capacete está explícita no Código de Trânsito Brasileiro, aparecendo no artigo 54:

Art. 54. Os condutores de motocicletas, motonetas e ciclomotores só poderão circular nas vias:

I – utilizando capacete de segurança, com viseira ou óculos protetores;

E os passageiros na moto também necessitam estar com o capacete, como estabelece o artigo 55:

Art. 55. Os passageiros de motocicletas, motonetas e ciclomotores só poderão ser transportados:

I – utilizando capacete de segurança;

As penalidades por não utilizar o capacete são estabelecidas pelo artigo 244:

Art. 244. Conduzir motocicleta, motoneta e ciclomotor:

I – sem usar capacete de segurança com viseira ou óculos de proteção e vestuário de acordo com as normas e especificações aprovadas pelo CONTRAN;

II – transportando passageiro sem o capacete de segurança, na forma estabelecida no inciso anterior, ou fora do assento suplementar colocado atrás do condutor ou em carro lateral;

[…]

Infração – gravíssima;

Penalidade – multa e suspensão do direito de dirigir;

Medida administrativa – Recolhimento do documento de habilitação;

Por ser uma infração gravíssima, ela acarreta 7 pontos na carteira de motorista, com multa de R$ 293,47, e o motorista tendo o direito de dirigir suspendido e o seu documento recolhido.

Consequências de cabeças sem capacete

Além da punição legal, temos as consequências físicas. Afinal, a obrigatoriedade do capacete se dá por causa da proteção que ele traz ao motociclista. Em média, na última década, a cada 100 mil motocicletas registradas, houve 92,3 mortes no trânsito. De acordo com o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) a chance de óbito é 14 vezes maior no condutor de motocicleta do que no de carro.

Não só isso é um problema para os motociclistas, mas para todo o Estado. Todos esses feridos por causa de acidentes de moto acabam sobrecarregado o sistema de saúde já precário. Os feridos ficam de 3 a 4 meses internados no hospital, em média. Os acidentes também são motivos para quase metade das indenizações pagas pelo seguro obrigatório dos veículos automotores (o Dpvat), embora as motocicletas representem apenas um quinto da frota brasileira de automóveis.

Por causa de todas essas repercussões, físicas e legais, o motociclista não pode tratar o capacete apenas como um acessório. Ele deve ser usado e usado corretamente, de acordo com o Código de Trânsito. Porém, existe uma gama de capacetes. Qual é o que mais se encaixa nas suas necessidades?

Escolhendo seu capacete ideal

Primeiro você deve levar em consideração o tamanho e o formato da sua cabeça. O capacete deve se manter firme sem ficar apertado ou desconfortável. Por isso experimente vários modelos antes de comprar o seu, já que os moldes utilizados pelos fabricantes não são exatamente os mesmos. P mesmo tamanho pode ser diferente em marcas distintas.

Segundo, leve em consideração o modelo que você quer. O capacete estilo turismo, ou capacete de face inteira, é o tipo mais comum do mercado. Ele permite ao motociclista uma visão ampla ao mesmo tempo que o mantém seguro. Antes de comprar um desses verifique que a entrada de ar dele fica no topo, o que diminui o impacto do vento no rosto e reduz o barulho.

Mais tradicional é o modelo três quartos. Esses modelos dão mais liberdade ao motociclista, porém não possuem proteção para os olhos e para o rosto, podendo insetos e poeiras atrapalharem o condutor. Existem modelos três quartos que possuem viseira, assim reduzindo esse problema.

O capacete modular, também conhecido como articulado, é aquele em que a máscara frontal do equipamento pode ser levantada. Dessa forma ele pode variar entre ser um capacete turismo e um capacete três quartos. Esses modelos são mais versáteis, porém tem a tendência a serem mais pesados e, por não serem totalmente selados, deixam mais vento e barulhos entrarem.

Por último temos os capacetes de corrida. Esses modelos são desenhados para usos mais extremos, costumando unir conforto e pouco peso. Eles são equipamentos que são seguros e confortáveis ao mesmo tempo. Tem ventilação boa, viseiras grandes e uma compensação de segurança na altura da boca. No entanto, são fracos na questão de redução de ruídos e sons externos.

Um cabeça sã sempre anda protegida

Agora você está consciente da importância de utilizar o capacete e quais são os seus principais modelos. Não se esqueça de, antes de comprar, verificar a certificação de segurança e a validade do equipamento. E não se esqueça que, se você se importa com a sua segurança no trânsito, conhecer o programa de benefícios da Facility.

2017-09-21T13:11:55+00:00