A história dos sinais de trânsito

Os sinais de trânsito são coisas tão presentes nas nossas vidas que provavelmente nem paramos para pensar sobre eles. Mas então? De onde eles vêm? Por que eles são da forma que são? Pensando sobre esse assunto, o artigo de hoje foi escrito sobre a história interessante dessas placas e símbolos tão comuns no nosso dia-a-dia.

Uma antiguidade comprida

Muitos podem estranhar isso, mas sinais de trânsito são quase tão antigos quanto a própria civilização. Diversas sociedades do mundo antigo utilizavam símbolos e marcos para transmitirem informações sobre estradas e caminhos.

Um exemplo notável são as colunas de pedra que os romanos ergueram ao longo do seu império, apontando a distância que o viajante estava de Roma. Durante a Idade Média, se tornaram comuns placas que apontavam em várias direções, informando a localização de diversos locais e a distância que se estava deles.

Em 1686, o rei Pedro II de Portugal promulgou o ato de Regulação do Tráfego, o primeiro do tipo na Europa. A ordem determinava que em Lisboa fossem colocados sinais de trânsito que informavam quem tinha a preferência naquela via. Isso foi feito para reduzir congestionamentos nas ruas mais estreitas da capital portuguesa. Dessa forma, ficava estabelecido quem tinha a preferência da via e quem precisava parar ou recuar para dar espaço e deixar outro passar.

Um desses sinais ainda existe na rua Salvador, no bairro da Alfama. Essa placa, o sinal de trânsito mais antigo de Lisboa, diz:

ANO DE 1686

SUA MAJESTADE ORDENA

QUE OS COCHES, SEGES

E LITEIRAS QUE

VIEREM DA PORTARIA

DO SALVADOR RECUEM

PARA A MESMA PARTE

O surgimento do automóvel

Os primeiros sinais modernos surgiram no final do século XIX, direcionados a bicicletas. Foram organizações de ciclistas que começaram a desenvolver e implantar sinais de trânsito para indicar os que passavam por ali sobre perigos ou outras condições, como descidas muito inclinadas. Eram sinais menos destinados a apontar direções ou dar distâncias, mas manter precavido quem passasse por um certo trecho.

O automóvel foi o grande responsável pela evolução que os sinais de trânsito sofreram ao longo do século XX. O surgimento dessas máquinas capazes de altas velocidades e que eram de um peso considerável mostrou a importância de o trânsito ser algo ordenado e planejado. Afinal, um acidente com uma bicicleta podia ser ruim, até mesmo fatal, mas os acidentes automobilísticos ofereciam uma nova classe de perigo.

Em 1900, um congresso internacional se reuniu em Paris e propôs símbolos a serem utilizados por todas nações participantes, assim criando um padrão internacional de sinais. Em 1909, nove países europeus começaram a implantar sinalização com formato e mensagens similares, seguindo um dos primeiros padrões que ia além de fronteiras. Mas foi só entre 1929 e 1949 que essa iniciativa alcançou o seu objetivo. No começo dos anos 50, já havia um padrão europeu de sinalização que era coerente entre diversos países.

Dias modernos

Em 1964 o Reino Unido adotou o padrão europeu de sinalização de trânsito. Nos últimos anos o Estados Unidos, que desenvolveu o seu sistema próprio separado do europeu, começou a incorporar alguns elementos a sinalização utilizada na Europa.

Os primeiros sinais de trânsito eram feitos de madeira e pedra. Desde a metade do século XX o material padrão se tornou o alumínio. Os sinais geralmente são feitos de lâminas de alumínio com adesivos plásticos colados sobre a lâmina. Os adesivos são feitos para se aderirem de forma durável ao alumínio, serem impermeáveis e imunes à ação do vento, assim como refletirem a luz dos faróis, aumentando a sua capacidade de chamar a atenção de motoristas e não serem ignorados de noite.

No final do século XX e começo do XXI começaram a surgir novas tecnologias de sinalização. Telas eletrônicas que transmitem mensagens complexas e que podem ser programadas para dizerem qualquer mensagem necessárias são ferramentas bastante versáteis e úteis para as autoridades de trânsito. Essas telas também podem estar ligadas a sistemas que avaliam as condições do tráfego, a velocidade média na pista, se há engarrafamentos e etc., e transmitir visivelmente essa informação para os motoristas.

As tecnologias da informação, como os celulares e internet, também oferecem uma série de ferramentais para as autoridades. É possível avisar individualmente toda uma população de motoristas sobre acidentes, obras na pista ou outras condições que afetam o tráfego.

Obedecendo para permanecer seguro

O trânsito pode ser muito perigoso. Por isso, obedecer devidamente a sinalização de trânsito pé uma condição essencial de um motorista que quer conservar sua segurança. E se você se preocupa com a segurança dos ocupantes do veículo e do seu automóvel, a Facility tem exatamente o que você precisa com o seu Pacote de Benefícios Automotivos. Ele oferece segurança e proteção automotiva apenas a uma ligação de distância. Faça uma simulação gratuita no nosso site e veja o quão barato é ter todos esses benefícios.

2017-11-10T11:28:38+00:00